quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

CRIANÇA E CRIAÇÃO / DE NOVA SECRETARIA DE ESTADO EM BRASÍLIA À PRIORIDADE DISTRITAL


06 de janeiro/10 - Festa dos Reis, dia em que “aquela criança” do Natal se mostrou medida humana de dignidade para todos os infantes do mundo. Data marcada para a conversa franca, inquietante dos Conselheiros de Direitos e dos Conselheiros Tutelares com Dr. Dioclécio Campos Júnior, recentemente empossado pelo Governador Agnelo Queirós.


Mediados pela Promotoria da Infância e da Juventude, reunimo-nos com o Secretario de Estado da Criança pela mediação do Dr. Oto de Quadros, de inegável compromisso para o cumprimento da Constituição Federal. Mais do que reunião, realizou-se uma união de trajetórias de vida que confirma que a Prioridade Criança pode ocorrer enfim no Distrito Federal.


Diante da inconformada situação relatada pelos presentes e da vida pregressa e militante do Dr. Dioclécio sintonizavam-se forças cidadãs para a transformação do quadro caótico da infância e da Juventude. Escolha histórica, apartidária, baseada e acertadamente por alguém de vontade férrea, pediatra renomado que veio para unir-se com todos os ativistas dos Conselhos Tutelares e de Direitos do Distrito Federal que padeciam pelo descaso do Estado que nunca honrou o Art. 227 da Constituição Federal.


Exonerações à parte, propostas de superação e apelos de renomeações, houve a afirmação de que o novo Governo fez apenas ato simbólico que não significou exclusão de competentes servidores, Foi gesto para criar espaços para pessoas alinhadas com o compromisso dos direitos humanos de crianças e adolescentes. Mas o foco da presente reunião projeta-se em algo muito maior e sustentável para milhões de crianças e adolescentes.


Como novo tempo, possibilitado com a eleição do Gov. Agnelo e pela escolha bem vinda da criação desta Secretaria, assim como pela indicação do titular da pasta que nos honrou com o diálogo, tivemos uma certeza: primará pela participação efetiva de todos da Rede de Proteção da Infância e se guiará pela escuta atenciosa. Brincando disse: “mesmo que como criança usemos a tática infantil do choro e da birra para alcançar o que é de direito de todas as crianças, um idioma que deve ser sempre ouvido e atendido”.

Depois de longa e atenciosa escuta, a fala do Secretário que é médico pediatra, declarando que “nosso inconformismo é sinal de vitalidade e de compromisso com as crianças” e assim ele se sente sintonizado e feliz com os que estavam ali para conversar e confiar no trabalho em conjunto e intersetorial SUS/SUAS. Do contrário, “estaríamos todos resignados como diante de uma doença terminal que levará a sociedade a não ter futuro, ou seja à morte”. “Estaremos enxugando gelo, se não estivermos desde a primeira infância investindo no cuidado, proteção e estimulação de todas as crianças nesta decisiva fase do desenvolvimento”.

Foram entregues documentos vários ao Dr. Dioclécio Campos Júnior. Mais do que um assustado diagnóstico verbalizado, também foram passadas propostas terapêuticas, como projetos de leis pela Associação dos Conselheiros Tutelares, a Cartilha sobre os Conselhos Tutelares e o Balanço de Gestão do CDCA-DF 2008-2010.


“Estamos unidos para avançar na conquista dos direitos, para transformar a sociedade, exigir a Justiça para todos e não apenas usar da caridade como gesto que é fácil se tornar mero engano”. (Dr. Dioclécio Campos Júnior, Secretário de Estado da Criança do Distrito Federal)

4 comentários:

  1. "A justiça é inseparável da caridade"
    •Por Domingos Francisco
    Entendemos que a justiça consiste no respeito aos direitos de cada um. Por outro lado, já mais devemos esquecer que qualquer obra de autêntica caridade compreende a indispensável referência à justiça. A ação de quem administra a justiça não pode prescindir da caridade.

    O amor para com Deus e para com o próximo deve modelar cada atividade, mesmo a que aparentemente é mais técnica e burocrática. O olhar e a medida da caridade ajudarão a não esquecer que se está sempre diante de pessoas marcadas por problemas e sofrimentos.

    Quem ama com caridade os outros é antes de mais justo com eles. Não só a justiça não é alheia à caridade, não só não é uma via alternativa ou paralela à caridade: “a justiça é inseparável da caridade, intrínseca a ela.

    Caridade sem justiça não é caridade, mas mera contrafacção, porque a própria caridade requer aquela objetividade típica da justiça, que não há que confundir com frieza desumana.

    Lembramo-nos que crianças e adolescentes são sujeitos de direitos, sujeitos especiais porque são pessoas em desenvolvimento. Criança e adolescente exigem a atenção devida do Estado brasileiro.

    *Domingos Francisco, Teólogo e Conselheiro do Conselho Tutelar de Ceilândia Sul – DF, no segundo mandato, triênios (2006 a 2009 / 2009 a 2012), representante do Conselho e Ordem Federal de Teólogos do Brasil no Distrito Federal, ex-chefe Oficial de Justiça do TJDFT, ex-chefe da Divisão de Proteção da Infância e Juventude da Comarca de Boa Vista, Estado de Roraima (1994) e ex-chefe do Setor de Proteção do Juizado de Proteção da Infância e da Juventude do município de Cantá-RR.

    ResponderExcluir
  2. Sim, AMIGO DOMINGOS, você disse como teológo e com profundidade que a justiça e a caridade se somam e se retroalimentam porque intrinsicamente alinhadas com o Direito. Entretanto, como sociólogo aprendiz, creio que assim é no mundo das ideias e que pouco ocorre no mundo das práticas e não vamos perder a esperança que tudo que pensamos não esteja um dia no mundo do real. Porém, quando ocorre a caridade na ideologia presente, pode ser também para ofuscar a JUSTIÇA.
    Daí, o nosso exagero que se sintoniza do mesmo modo como disse Jesus: "Buscai o Reino de Deus e sua Justiça, que tudo mais vem por acréscimo".
    (Mt.6,36)
    Parabéns, Domingos! e um granade abraço!

    ResponderExcluir
  3. Eu adimiro essa pessoa que é uma conselheira mãe amiga você cara Selma não esta no caminho dos conselhos atoa muita saúde e paz nesse coração............. de seu amigo Raeeel.

    ResponderExcluir
  4. Obrifago Israel as nossas crianças e adolescentes merecem a nossa dedicação, pois temos a missão de promover a segurança e garantir que tenham o seu direito de viver em plena liberdade e realizar aquilo que um dia todos nos realizamos as nossas bricadeiras de criança e sonhos de crianças

    Selma Santos -
    conselheira em Ceilandia - norte.

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget